Tudo o que precisa de saber sobre ténis de corrida

A utilização de calçado adequado é essencial para quem se inicia na corrida. Explicamos-lhe tudo o que precisa de saber.

Os ténis devem ser escolhidos com o pé e não com os olhos. Quem começa a correr normalmente não tem muitos conhecimentos sobre o tema e acaba por comprar o calçado de corrida de que mais gosta, sem ter em conta que todas as pessoas são diferentes e cada pé é um pé. E isso é um erro enorme.

Quando o bichinho da corrida se instala, a atividade começa a tornar-se mais frequente, as distâncias vão aumentando e surge a vontade de participar em provas. A utilização de ténis que não são adequados ao tipo de passada do corredor leva muitas vezes ao aparecimento de pequenas dores musculares que vão aumentando até se transformarem em possíveis lesões.

Ou seja, se quer correr e não apenas passear os ténis, não serve de nada gastar muito dinheiro sem antes fazer um conjunto de testes que determinam o seu tipo de passada. Estes testes permitem-nos saber que tipo de corredor somos: supinadores, pronadores ou neutros. Sim, são nomes estranhos, mas vamos ajudar a descodificar tudo.

Durante o treino, a componente mais importante de todo o equipamento é o calçado, uma vez que “o impacto do pé no chão corresponde, na maioria das vezes, entre três a seis vezes o peso do nosso corpo”, explica Rita Pereira, da Adidas. Se não usarmos ténis adequados à nossa passada, em vez de estarmos a fazer um desporto que nos faz muito bem à saúde, estaremos a lesionar o joelho, o tornozelo ou a coluna, por exemplo. Basta, muitas vezes, “um calçado errado com uma sola não adequada para fazermos uma entorse”, sublinha a responsável.

Primeira dica: compre ténis meio número acima daquele que calça normalmente, já que o pé tem tendência a dilatar com o calor e aumenta entre cinco e seis milímetros.

E também deve ter em consideração que nem todos os modelos que encontra nas lojas de desporto são adequados para si, porque existem três tipos de passada diferentes: há o pé pronador, o supinador e o neutro. Se o calçado for pouco estável, com uma sola mais leve para permitir mais velocidade, que amorteça menos o impacto no solo e o utilizador tiver uma passada pronadora, estará a fazer um esforço adicional no pé, no tornozelo e coluna porque o pé não está adequadamente pousado.

Além de ter em consideração que tipo de passada tem, é importante escolher um calçado que se adeque ao piso e ao número de vezes que corre por semana.

Embora todos os diferentes tipos de corredores ataquem igualmente o solo pelo calcanhar exterior, o pé pronador, normalmente conhecido como pé chato, roda excessivamente e longamente o membro para dentro. Por isso, deverá escolher uns ténis com estabilidade extra.

Já quem tem uma passada neutra, gira o pé de forma dita normal, de modo a distribuir as forças de impacto pela planta do pé e a amparar o choque da batida. Por fim, a batida do corredor supinador manifesta-se praticamente em linha reta, ou seja, não consegue virar a passada o suficiente, não distribui a força de forma adequada e deverá usar um calçado mais flexível.

Afinal, qual é o seu tipo de passada?

Para além de ter em consideração a qual destes três tipos de corredor se pertence, é importante escolher um calçado que se adeque ao piso – se costuma correr em asfalto, praia ou parque, sendo estes mais ou menos regulares – e ao número de vezes que se pretende correr por semana.

E como é que pode saber que tipo de passada tem? É bastante fácil: basta realizar um teste de passada para perceber que tipo de ténis deve escolher. No caso da Adidas, o calçado está dividido em três categorias: neutro, estável e natural. Em qualquer uma delas existem os segmentos regular, veloz e extremo (irregular). Para uma corrida estável (apoio e orientação), a Adidas dispõe do calçado Ultra Boost ST e Supernova Sequence, por exemplo. Para uma corrida neutra (amortecimento e conforto), aconselham-se as sapatilhas Ultra Boost, Energy Boost e Supernova Glide e para uma corrida natural (adaptação ao movimento natural do pé), as opções visam a Pure Boost X para elas ou a Pure Boost ZG para eles.

Por exemplo, a sapatilha Pure Boost é muito leve, anatómica, acompanha o movimento e é mais apropriada para percorrer distâncias pequenas. Para uma corrida mais intensa seria aconselhável uma Ultra Boost, uma Energy Boost ou uma Supernova. A maioria das linhas deste calçado tem piso da marca de pneus Continental, ou seja, são adequadas para correr em asfalto.

A marca não tem calçado adequado para supinadores em Portugal, tendo em conta que apenas dois por cento da população mundial pertence a este grupo e estará concentrado na Ásia. O Ultra Boost é dirigido às duas passadas – a mais estável e regular. Este modelo também encaixa para a corrida neutra, assim como a Supernova e as Energy. Para um impacto mais natural, as Pure Boost são as mais indicadas.

Categorias
Vida Saudável
Partilhar

Tudo o que precisa num único espaço